metrô

Nem todos os mais velhos conseguiram sentar-se, de maneira que alguns ainda tinham que ir em pé, cambaleando entro um solavanco e outro. Tantos eram os passageiros que não era mais preciso apoiar-se em nenhum lugar, ia-se espremido entre estranhos. Todos formavam uma só massa, que dentro do veículo-lata tomava forma viva, indestrutível. No fenômeno do lotado ignoram-se as convenções. Os costumes são todos deixados à porta, como guarda-chuvas deixados na entrada do seco para serem pegos de volta na saída, quando recobram sua utilidade. O único orgulho guardado é o do silêncio, que entre estranhos continua sempre o código comum de conduta. Não se conhece aquele no qual se encosta, o outro cujo rosto encosta no seu, as mãos estranhas que se esbarram constantemente. Se conhece apenas uma identidade, uma conformação pública de quem não reclama, de quem aceita o embaraço como parte do trajeto. E entre uma estação e outra saem alguns conformados e entram mais outros. Lentamente cada um encontra seu aperto, invadindo e tendo invadida toda e qualquer privacidade, mas evitando o olhar. O contato é presente em todas as formas, menos pelos olhos, iguais às putas, só que vestidas. Uma troca de olhares seria muito íntima e qualquer pudor que até então havia sendo evitado pelo senso de comunidade seria trazido à tona, arruinando a vida de todos. Por isso casa um cumpria seu dever e pelo bem do organismo olhavam para qualquer canto que fosse – as luzes fosforescentes, os mapas coloridos dos trajetos, o desenho dos postes de apoio no teto.
Num momento infeliz de pura má sorte dois trens atrasaram na partida de uma estação, fazendo com que os outros dois subsequentes que vinham atrás tivessem que parar, quebrando toda a sinfonia de máquina, no meio do escuro de um túnel, paralelos um ao outro, o início de um junto ao final do outro, ambos cheios de gente. O solavanco maior que os de costumes alardeou os passageiros que tomados de assalto deixaram o transe. Por descuido, distraídos de todas as normas, todos olharam para a tentação ao lado. Num instante de magnificência, dezenas de centenas de olhares foram trocados. De par em par, os passageiros dos dois trens encontraram um alguém com sua visão e a ilusão de muito tempo perdeu o sentido. O ar se encheu com o cheiro do terror e o silêncio que antes era de complacência era agora de pânico. Pânico não pelo parar do trem ao qual todos estavam acostumados, aquilo era frequente – era um questão de tempo até que voltasse a andar. O pavor se manifestando agora vinha junto da epifania coletiva, da realização do macabro. Todos perceberam que na verdade não eram passageiros de uma linha de transporte, mas sim gente dentro de metal em um túnel cavado debaixo da terra. E o metal, o túnel, e sua própria presença naquela mesma situação eram todos efeitos de sua deliberação. O que faziam ali, perguntavam-se uns aos outros com o olhar. Centenas de animais sem poder algum sobre o próprio destino, paralíticos com a familiar estampa do medo na cara, enterrados sob sua civilização. Em meio ao choque e ao desespero calado, a única coisa que tinham era a si mesmos. Na verdade nem isso: todos olhavam para alguém no vagão oposto e duas janelas separavam o abismo da solidão em que todos se encontravam do conforto de um último abraço entre irmãos. Alguns derrubaram lágrimas, outros perdiam a consciência, mas o silêncio era constante. O silêncio do incompreensível, do arrependimento, da impotência, da insignificância, do incrível, o silêncio dos inocentes e o dos culpados também. Não foi possível perceber o quão rápido tudo acontecera, o silêncio logo foi quebrado pelo barulho dos trilhos. Lentamente quebraram-se os laços e qualquer maravilha for ofuscada pelo movimento da máquina. Os passageiros logo acharam outro ponto para olhar e os dois trens seguiram, debaixo da terra, cheios de gente, cada qual para seu respectivo ponto final.

-2012

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s