Dama no armário

Se escrevo tenho que buscar a máquina no fundo esquecido do armário, o peso sempre maior que o da memória. Apoio-a numa mesa que não mais a recebe como antes, não é mais tão bem-vinda. Ficam fora de contexto as partes descomunais, o tamanho grita excesso e a máquina, que teve sempre sua glória, fica um pouco envergonhada. Mas não perde a majestade. Funciona à eletricidade e por isso enquanto não é datilografada, faz um ruído de reclame: “Cadê? Não vem nada?”. Manifestam-se umas teclas e outras letras, mas logo predomina de novo o silêncio maquinário, todas as peças já cientes do fracasso. Fica ali, velha e importante, rainha de outros textos, barulhando na mesma busca minha. Minha máquina suplica e eu não posso ajudar. Admito a decepção e finalmente a máquina volta pro armário, no canto óbvio de que sempre se esquece, juntando poeira e amargura, minha única dama de ferro.

-2013

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s