s.t.

Ela olha pra ele longe, do outro lado de uma multidão que ele atravessa mais rápido do que ela imagina possível. Logo está muito perto, perto demais, e sorri com uns dentes sacanas, mexe o torso nu numa íntima intimidação, desfere seduções indiscerníveis ao pé de seu ouvido. Ela diz que não. Ele a segura pelo braço todo pintado em purpurina, enlaça a mão em sua cintura despida e se derrama em amores vadios – que ela é linda, que foi destino, que é carnaval. Ela diz que não. Ele escolhe subentendê-la e com os lábios grossos e salgados rouba dela um beijo de carnaval, um beijo conquistado. Ela fica com o gosto do não na boca.

-2018

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s