A vez do poeminha

Reivindica aqui, o poeminha,
O que nunca lhe foi dado.
Evite, leitor, despercebido por ele
Passar direto ao poema do lado.

Perceba o poeminha!
Não recite por pena o coitado.
Tem como todos os outros sua página própria,
Não merece ser desprezado.

Não despreze o poeminha, leitor,
Quem o lê interpreta:
Faz também jus a mim.

Ora! Atenta até à rima,
O pobrezinho do poema,
E faz questão de ter começo, meio e fim.

-2013

espelhos

espelho primeiro

Como é a minha traqueia?
Como são meus lábios, minhas bochechas e minhas sobrancelhas?
Nunca vi meu rosto!
Minha face é um mistério pra mim mesmo.
Conheço apenas aquela refletida no espelho.
Espelho mentiroso, pois aquilo que me mostra não é o que vejo quando olho para baixo.
Meus olhos, nunca os vi. De que cor são?
Não tenho nenhuma memória de qualquer expressão.

Quisera eu ser espelho,
Para por pelo menos um instante saber
Quem realmente sou:
Ainda não mero reflexo,
Apenas luz incidente.

espelho segundo

Quem sou eu?

Luz incidente
indecente
indecisa
não contente
refratada

Eu sou luz refratária…

espelho terceiro

oriecret ohlepse

-2012

Para Miriam, algo sobre borboletas.

As borboletas que voam no céu
São diferente das que ponho no papel.

Aquelas voam,
As minhas já pousaram.
Aquelas serelepam,
As minhas se cansaram.

Aquelas trazem sorte,
As minhas, inspiração.
São pro pólen o transporte,
São pra mim a minha razão.

Não são as duas a mesma coisa?
Não são as duas uma só?

Felizmente não:
Aquelas trazem beleza aos olhos,
As minhas trazem ao coração.

Gabriel Martello
(11/12)

estro

Onde foi parar minha produção?

Produzia a mim
Produzia a ti
Produzia a ele
Produzia a nós
Produzia a voz

Onde foi calar minha voz,
Produzida a eles?

Minha obra se perdeu no atropelo de labuta meã.
Minha obra se venceu do cólera de poesia terçã.

-2012

Borboleta

Amizade nasceu do casulo do amor,
Da afronta da dor, da esperança do abril,
De botar nas palavras a paixão tão febril,
Que por si mesma sente.

Entende-se inteira,
Não acha ligeira,
A própria existência.

Não colhe ilusão,
Joga ao coração,
Angústia alheia.

Encara o desgosto,
Traz firme no rosto,
Magoada coragem.

E carrega gentil, em constância viril,
A riqueza do afeto, do carinho direto,
Escondidos em cada lagarta.

-2012

Cigana sorrindo

Da cor dos dentes cuja boca traga a fumaça
Brilha a Lua
Sorriso amarelo que prende e seduz
Sorriso cigano, oblíquo e dissimulado
Numa circunferência perfeita
Ilumina mais uma noite morna de um junho carioca
Aquece mais uma noite de falso inverno
E abrem-se e fecham-se as cortinas das núvens
Plúmbeas e densas
Ofuscando e revelando Sua luz branca
Aquela que engana
Sombreia de leve

De leve encanta

-2010

A agonia do hoje

O dia da agonia é todo o dia. É hoje. Foi o hoje anterior. E o hoje antes desse. E o seguinte. E o passado. E desses hojes não saímos. Nunca. Pois pelo ontem nunca passamos, e no amanhã nunca chegaremos. É só hoje. Sempre. Agonia desse hoje que não acaba. Desse hoje em que nascemos, em que vivemos, em que morreremos. E o tão sonhado amanhã, nunca. O amanhã em que as coisas não mais serão as mesmas, nunca. O amanhã que não é hoje, nunca.

Sempre, sempre hoje.
E a agonia do ontem com o qual nos iludimos por ter vivido em outro dia. Conversa apenas. Quando foi, foi hoje também.
Sempre, sempre hoje.

-2010